A Associação de Mulheres da Africa Ocidental - RAMAO e  o Centro de Investigação e Formação em Género e Família – CIGEF-UNICV  assinalam:

25 DE JULHO – Dia da Mulher Afro-Latino-Americana e Caribenha

O Dia da Mulher Afro-Latino-Americana e Caribenha foi criado em 25 de Julho de 1992, durante o I Encontro de Mulheres Afro-Latino-Americanas e Afro-caribenhas, em Santo Domingos, República Dominicana. Estipulou-se que esse dia seria o marco internacional da luta e da resistência da mulher negra. Desde então, sociedade civil e governos têm atuado para consolidar e dar visibilidade a esta data, tendo em conta a condição de opressão de género e racial/étnica em que vivem estas mulheres, explícita em muitas situações cotidianas.

O objectivo da comemoração de 25 de Julho é ampliar e fortalecer às organizações de mulheres negras, construir estratégias para a inserção de temáticas voltadas para o enfrentamento ao racismo, sexismo, discriminação, preconceito e demais desigualdades raciais e sociais. É um dia para ampliar parcerias, dar visibilidade à luta, às acções, promoção, valorização e debate sobre a identidade da mulher negra. De realçar que essa data  tem maior enfoque no Brasil e outros países latino-americanos e em Cabo Verde é a primeira vez que se faz alusão a 25 de Julho.

 

31  DE JULHO - Dia da Mulher Africana

A data foi instituída a 31 de Julho de 1962, em Dar-Es-Salaam, Tanzânia, por 14 países e oito movimentos de libertação nacional, na Conferência das Mulheres Africanas. Actualmente, a data continua a ser lembrada, pois, no continente africano, o panorama da mulher continua inquietante, apesar de pouco a pouco começarem a aceder a uma independência económica e a cargos de decisão e de poder. As mulheres africanas, em muitos países, encontram-se em situações de dependência psicológica dos seus maridos ou companheiros e, por vezes, vitimas de Violência Baseada no Género (VBG)  devido a estereótipos ancestrais e dependência económica. 

 A longa marcha da mulher Africana, Latino-Americana e Caribenha tem sido árdua e competitiva, para um mundo mais justo, mais igualitário e mais inclusivo. É nesse espírito de atingir o objectivo e uma verdadeira mobilização das forças vivas para um desenvolvimento humano durável que a RAMAO, o CIEGEF - UNICV   e parceiros  se juntaram para celebrar essas duas datas importantes e que visem projectar e valorizar  o papel da mulher no desenvolvimento social e económico  dos respectivos continentes.

O lema da comemoração é "um olhar artístico, poético e social da Mulher".

As actividades tiveram início no dia 26 de Julho, sexta-feira, pelas 17h00 no auditório da reitoria da Uni-CV e terminarão no dia 31 de Julho, Dia da Mulher Africana, com a abertura de uma exposição intitulada Mix D'Art, patente ao público até o dia 04 de Agosto, que visa promover o  lado multifacetado da mulher.

O acto central das actividades contou com as alocuções da Exma. Senhora  Presidente da RAMAO, Srª Josefina Chantre; Exma. Senhora  Vice-Reitora da UNI-CV, Doutora Adriana Carvalho e a Exma. Senhora Ministra Adjunto de S.E. O Primeiro-ministro, Drª. Cristina Fontes Lima, que preside a cerimónia.

  

Ainda, para além da declamação da poesia, proferida pelas Dras. Vera Duarte e Ana Maria Freire, fez-se a assinatura do protocolo entre a RAMAO e a CV Telecom.

Pin It