Atas das Jornadas de Língua Portuguesa, Investigação e Ensino

Atas das Jornadas de Língua Portuguesa, Investigação e Ensino

Resumo

Nos países africanos, em que o português foi escolhido como língua oficial, a sua classificação como “lusófonos” é, até hoje, considerada pouco adequadaà sua situação linguística, uma vez que deixa entender que o português é a língua materna maioritária das suas populações e, por conseguinte, é tam- bém a sua língua de cultura e de identidade a nível nacional.

Neste artigo, apresentam-se, em primeiro lugar, evidências de uma abor- dagem crítica da lusofonia por intelectuais e académicos (secção 1). Em se- guida, fornece-se uma breve informação sobre a política linguística e edu- cacional adotada em Moçambique desde a época colonial, que explica, pelo menos parcialmente, a dinâmica socio-histórica do português e das línguas locais bantu neste país (secção 2). Na secção 3, apresentam-se dados estatís- ticos sobre a evolução da situação linguística de Moçambique nos últimos 30 anos, em que se destaca a tendência a uma “mudança de língua” para o português, com consequente abandono das línguas maternas bantu. Em seguida, abordam-se questões de natureza qualitativa, relacionadas com a(s)competência(s)/proficiência(s) dos falantes de português e línguas bantu,com os domínios em que estas últimas são utilizadas, e ainda com lacunas de investigação sobre as línguas bantu moçambicanas (secção 4). A finalizaro artigo, apresentam-se evidências de alguma viragem, a ocorrer mais re- centemente, no cenário linguístico de Moçambique, em favor da valorização das línguas locais bantu (secção 5).

Palavras-chave: lusofonia, glotofagia, português, línguas bantu

Date

11 janeiro 2019

Categories

Publicações electrónicas, Actas de Conferências
View My Stats