Realizou-se de 1 a 5 de maio de 2019, em Angola, nas províncias da Huíla (Lubango) e do Namibe (Moçâmedes) o XXI Encontro da Rede de Estudos Ambientais de Países de Língua Portuguesa (REALP). A professora Sónia Silva Victória, docente da Faculdade de Ciências e Tecnologia, participou no evento, em representação da Universidade de Cabo Verde.

Grupo1.jpg

Sob o lema “Ciência, Sociedade e Ambiente. A investigação Ambiental no Ensino Superior”, a Universidade Mandume Ya Ndemufayo acolheu o XXI Encontro da Rede de Estudos Ambientais de Países de Língua Portuguesa. A cerimónia de abertura teve lugar no auditório da Mediateca do Lubango, no dia 2 de Maio de 2019 e foi presidida pelo Secretário de Estado da Ciência, Tecnologia e Inovação, Domingos da Silva Neto, em representação da Ministra do Ensino Superior, Ciência, Tecnologia e Inovação, Maria do Rosário Bragança Sambo.

As sessões de apresentação dos temas que constituíram os painéis desse encontro tiveram lugar na Escola Superior Politécnica do Namibe, na Cidade de Moçâmedes, nos dias 3 e 4 de maio.  A REALP reuniu especialistas em questões ambientais das universidades de Angola, Portugal, Brasil e Cabo Verde.

Pretendeu-se com esse encontro apresentar dados e discutir problemáticas ambientais centradas na realidade da África Subsariana. Desta forma, temáticas globais foram definidas, destacando-se áreas relevantes como:

Tema I- As dificuldades a nível mundial para a imposição de políticas ambientais eficazes. a) Mudanças climáticas, suas consequências e melhores práticas para uma melhor adaptação e capacidade de resiliência; b) Os assentamentos humanos resultado do crescimento da população mundial – medidas inteligentes para a sua racional instalação; c) Apresentação de um “caso de estudo” da Bacia do Cuvelai entre Angola e Namíbia; Tema II- TALANOA chama para a ação: na direção de uma economia neutra em carbono – como os países da REALP podem contribuir para esse objetivo. a) Explanação sobre o seu significado, conclusões e recomendações saídas da COP 24; b) Como adaptar as recomendações da COP 24 aos países que integram a REALP; c) Energias renováveis – que políticas adotar nos nossos países para as desenvolver.  Tema III- A ECONOMIA AZUL: a defesa ambiental dos mares e oceanos, chave da sobrevivência humana a) A realidade da Economia Azul nos países que integram a REALP; b) Que políticas  adotar para preservar a biodiversidade e a saúde marinha nos países que integram a REALP.

Paralelamente, no âmbito de reuniões internas da REALP, foram apresentados o balanço do curso de Doutoramento em Gestão e Políticas Ambientais na Universidade de Cabo Verde e as propostas de Doutoramento em Gestão de Políticas Ambientais a implementar brevemente nas Universidades Eduardo Modlane - Moçambique e Agostinho Neto - Angola.

Foi ainda possível a realização de uma visita ao Museu de Arte do Sul de Angola (Lubango) e excursões de campo ante e pós-congresso nas províncias do Huíla e de Namibe, à fenda da Tundavala, Serra da Leba, Dunas, Arco (Lago) e observar as Welwitschia mirabilis do Deserto do Namibe.

A cidade de Moçâmedes está localizada em pleno deserto do Kalahari, tem a sua economia voltada para o mar, mas também é a porta de entrada para a região do planalto sul do país, fazendo fronteira com a República da Namíbia. A região é habitada principalmente por povos tradicionalmente pastores itinerantes, com fortes raízes culturais, típicas dos povos pastores de regiões semidesérticas e mesmo desérticas.

Pin It